Sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

Stop Every Clock

E chorou. Continuou o caminho, sempre de cabisbaixo, a esconder a sua tristeza pelo cabelo. Preto escorria-lhe pela cara, da maquilhagem, que ela colocara, especialmente para aquele dia. Andava em passos lentos, mas brutais. Mesmo sabendo que estava a seguir a direcção errada, continuou. E as pessoas olhavam para ela, espantados, e falavam. Palavras maldosas, que apenas a faziam sentir pior, muito pior. Ninguém a conhecia, apenas ele. E agora ele desistiu. E acabou. Tudo. Ela sentou-se no banco, mais longe das pessoas possível, e despediu-se de si mesma. Apesar de não fazer ideia se era uma despedida para sempre, despediu-se. E pronunciou umas palavras entre-dentes, que não faziam sentido, mas era verdade. Ele mentiu-lhe, gravemente. Então ela decidiu dizer adeus. A ela e a todos que alguma vez conheçera. Desistiu. Abandonou o seu corpo. Era agora apenas uma figura. Que desistira por ele. E ele não mericia isso. E quando dizem que ela é só mais uma, estão enganados. Porque ela arriscou tudo para a sua felicidade, e até a felicidade dos outros.

Um dia arrepender-se-á. Ele, e todos.

 

Cover my eyes,

Cover my ears,

Tell me these words are a lie.

It can't be true,

that I'm losing you,

Sun cannot fall from the sky.

Can you hear heaven cry?

Tears of an angel.


publicado por killua às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Stop Every Clock

tags

todas as tags

favoritos

need you like water in my...

Letters

blogs SAPO

subscrever feeds